Hospital Regional de Santarém troca tanque de oxigênio, triplica capacidade e garante segurança aos pacientes com Covid-19

(18/06/2020) – Diante do alto consumo de oxigênio nos atendimentos aos casos do novo coronavírus (Covid-19), o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, realizou a substituição do tanque de oxigênio líquido, que atende toda a unidade. O novo investimento proporcionará garantia no abastecimento com o aumento da capacidade de armazenamento e melhor atendimento aos pacientes.

O antigo tanque de oxigênio líquido tinha capacidade para 9.000 metros cúbicos, o equivalente a 14.310 litros. Com a troca, a unidade triplica sua capacidade de atendimento com um novo recipiente, agora com capacidade de 27.000 metros cúbicos, o que representa 42.930 litros.

O consumo de oxigênio líquido aumentou no HRBA, unidade do Governo do Pará e gerenciada pela Pró-Saúde, a partir da implantação de 30 novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), voltados ao atendimentos de casos graves da Covid-19. “Antes da doença, o hospital consumia uma média diária de 450 metros cúbicos. Com a nova demanda passamos a consumir 1.000 metros cúbicos de oxigênio líquido. Com a ampliação na capacidade de armazenamento, o hospital ficará abastecido por mais tempo”, destacou o coordenador de Engenharia Hospitalar, Adrio Neves.

O novo coronavírus provoca um estado inflamatório nos pulmões, comprometendo a função dos órgãos de oxigenar o sangue e eliminar o gás carbônico, fazendo o paciente desenvolver a Síndrome Respiratória Aguda.

Como não há vacina comprovada para impedir a progressão da infecção, em casos graves, a alternativa dos médicos é recorrer ao auxílio de oxigênio, que ajuda a suprir a carência do elemento no organismo, enquanto outros protocolos, como a administração de antibióticos, são adotados para ajudar a combater a infecção.

“Este é um item de grande importância para um atendimento de qualidade. Com este investimento poderemos assegurar uma melhor assistência aos pacientes em tratamento contra a Covid-19 que precisam de oxigênio, pois com este novo recipiente, o hospital tem a garantia do abastecimento. Assim estaremos fortalecendo nossa assistência, permitindo qualidade e segurança para os pacientes”, afirma o diretor Hospitalar, Hebert Moreschi.

Referência para 1,3 milhões de pessoas residentes em 30 municípios da região Oeste do Pará, Xingu e Baixo Amazonas, o Regional de Santarém é reconhecido como um dos dez melhores hospitais públicos do Brasil. É certificado pela Organização Nacional de Acreditação com o nível máximo de qualidade, a ONA 3 – Acreditado com Excelência. A unidade presta atendimento 100% gratuito e é referência no tratamento de casos da Covid-19 na região.

Ao todo, o HRBA possui 153 leitos e, com as adequações feitas, conta agora com 52 leitos exclusivos para atendimento dos casos relacionados a doença, sendo: 45 leitos de UTI Adulto, 3 leitos de UTI Neonatal e 4 leitos de UTI Pediátrica.

Até a tarde desta quinta-feira (18/6), o HRBA já alcançou a marca de 75 pacientes recuperados após internação relacionada ao novo coronavírus.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.