Hospital Regional do Baixo Amazonas ganha laboratório para realização de exames de Covid-19 no Oeste do Pará

O anúncio foi realizado pelo governador Helder Barbalho nesta quinta-feira, 28/5, durante visita à Santarém

Nesta quinta-feira, 28/5, o governador do Estado do Pará, Helder Barbalho, esteve no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRB) para acompanhar o atendimento realizado aos pacientes com o novo coronavírus (Covid-19) na unidade.

Durante a agenda oficial no HRBA – unidade gerenciada pela Pró-Saúde –, o governador anunciou convênios médicos que reforçam o trabalho realizado na região para o combate da doença.

Entre os anúncios, foi divulgada a instalação de um Laboratório de Biologia Molecular (Labimol) no Regional do Baixo Amazonas que, em parceria com Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), irá permitir a realização de exames dos pacientes com Covid-19.

“Estamos buscando atuar de maneira preventiva e planejada em todas as regiões. Não podemos enfrentar esse vírus apenas abrindo leitos. É fundamental o diagnóstico precoce, a medicação ainda na fase leve. Com este convênio, queremos nos próximos dias já fazer a verificação dos exames laboratoriais aqui em Santarém, tendo um diagnóstico mais rápido e, consequentemente, o tratamento mais ágil”, declarou o governador Helder.

O governador também anunciou o reforço em ações que visam a manutenção dos leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva) do hospital, tendo em vista ajustes realizados na estrutura para atender pacientes com suspeita ou que tiveram confirmação de Covid-19.

“O governador veio pessoalmente constatar a qualidade dos serviços que estamos oferecendo para a população e também dar a notícia de funcionamento do novo laboratório. Para nós, é um avanço importantíssimo no combate à pandemia para nossa região. São investimentos que acrescentam e fortalecem o Regional no enfrentamento ao coronavírus”, ressaltou o diretor Hospitalar, Hebert Moreschi.

 48 pacientes recuperados

Até a manhã desta sexta-feira (29/5), o HRBA, considerando um dos dez melhores hospitais públicos do Brasil, já alcançou a marca de 48 pacientes recuperados após internação relacionada ao novo coronavírus.

Desde o início de fevereiro, quando o assunto começou a tomar relevância no País e, após ser escolhido pelo Ministério da Saúde e SESPA, como unidade de referência para atendimentos de Covid-19, o Regional do Baixo Amazonas adotou uma série de precauções necessárias antecipadamente.

No dia 7 de fevereiro, realizou o primeiro treinamento com a equipe assistencial, simulando a chegada de paciente com suspeita de infecção grave. Com treinamentos contínuos, os colaboradores foram orientados sobre a identificação de caso suspeito, fluxograma de recebimento de pacientes e uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual).

O Regional já realizou a instalação de tendas ao ar livre no jardim do hospital, para evitar aglomerações nas recepções do ambulatório de consultas, ambulatório oncológico, acolhimento e na hemodiálise. Além disso promoveu a instalação de nove pias externas, para estimular usuários na importante tarefa de higienizar as mãos corretamente, antes de entrar no hospital, e espalhou dispensadores de álcool em gel por pontos estratégicos da unidade.

Sobre a Pró-Saúde

A Pró-Saúde é uma entidade filantrópica que realiza a gestão de serviços de saúde e administração hospitalar há mais de 50 anos. Seu trabalho de inteligência visa a promoção da qualidade, humanização e sustentabilidade. Com 16 mil colaboradores e mais de 1 milhão de pacientes atendidos por mês, é uma das maiores do mercado em que atua no Brasil. Atualmente realiza a gestão de unidades de saúde presentes em 23 cidades de 12 Estados brasileiros — a maioria no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde). Atua amparada por seus princípios organizacionais, governança corporativa, política de integridade e valores cristãos.

A criação da Pró-Saúde fez parte de um movimento que estava à frente de seu tempo: a profissionalização da ação beneficente na saúde, um passo necessário para a melhoria da qualidade do atendimento aos pacientes que não podiam pagar pelo serviço. O padre Niversindo Antônio Cherubin, defensor da gestão profissional da saúde e também pioneiro na criação de cursos de Administração Hospitalar no País, foi o primeiro presidente da instituição.