HRBA recebe o prêmio “Líderes da Saúde Norte e Nordeste” na categoria “Sustentabilidade”

Além de oferecer tratamento de qualidade em média e alta complexidades e ser polo formador de profissionais da saúde, o Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém (PA), ganha destaque no cenário nacional pelo desempenho ambiental, social e econômico. A unidade de saúde recebeu, na noite desta quinta-feira, 17/8, o prêmio “Líderes da Saúde Norte e Nordeste” na categoria “Sustentabilidade”.

A segunda edição do prêmio ocorreu durante a Feira HospitalMed, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Recife (PE). Na edição de 2016, o Hospital Regional foi eleito o melhor hospital público das regiões Norte e Nordeste do Brasil, na categoria “Instituição do Ano – Saúde Pública”. A premiação é organizada pelo Grupo Mídia. “Este reconhecimento traz a responsabilidade de intensificar nosso trabalho na busca da melhoria dos serviços prestados por nossa instituição, bem como na formação de novos profissionais e, também, disseminadores de boas práticas assistenciais”, diz o diretor-geral do HRBA, Hebert Moreschi.

O diretor destaca a preocupação da unidade em oferecer um serviço de excelência aos usuários. “Ser referência em qualidade demonstra que a missão proposta pela Pró-Saúde está sendo alcançada e que o compromisso em prestar uma assistência pautada em segurança e qualidade está cada vez mais enraizado na cultura de nossos colaboradores”.

O Hospital Regional de Santarém foi a primeira instituição pública de saúde da Região Norte a conquistar o certificado “Acreditado com Excelência” da Organização Nacional da Acreditação (ONA). O HRBA é uma unidade pública e gratuita de saúde, pertencente ao Governo do Pará e administrado, desde 2008, pela entidade beneficente Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar sob contrato de gestão com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Outras duas unidades do Governo do Estado, gerenciadas pela Pró-Saúde, também foram homenageadas: Hospital Público Estadual Galileu (sustentabilidade) e Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo (saúde pública), ambos localizados em Belém (PA).

Reaproveitamento de resíduos
De janeiro a julho deste ano, o Hospital Regional do Baixo Amazonas reaproveitou quase 30 toneladas de lixo. Foram 12 toneladas de papelão, seis toneladas de plástico e quase 800kg de papeis, isopores e tampas de medicamentos. Além disso, 11 toneladas de resíduos orgânicos deixaram de ser destinadas ao aterro sanitário.

Para conseguir reaproveitar essa quantidade, a unidade formaliza parcerias com diversas entidades e, ainda, pensa em projetos que vão contribuir para fortalecer o tripé da sustentabilidade. O projeto “Compostagem e Horta Orgânica”, por exemplo, reaproveita mais de uma tonelada por mês de lixo orgânico. Todo esse resíduo é transformado em composto para a produção de alimentos na própria área do hospital.

Outro projeto realizado pela unidade é o “Caracol, giro ambiental hospitalar”, que consiste no reaproveitamento de materiais usados no hospital, como tampas de medicamentos e papeis, para confeccionar diversos objetos e jogos educativos, como quebra-cabeças, cartões e agendas.

Referência em sustentabilidade
O HRBA foi o primeiro hospital público do Brasil a obter o selo “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI), este ano. Também é certificado como “Amigo do Meio Ambiente” pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Além disso, ganhou o prêmio “Hospitais Saudáveis”, em 2016; prêmio de 2º melhor projeto de gestão hospitalar do Brasil, pela Federação Brasileira de Administradores Hospitalares; além de figurar entre os dez hospitais públicos de excelência no Brasil, conforme publicação da revista Exame.

Paulo Czrnhak, diretor Operacional da Pró-Saúde no Pará, e coordenador do programa de Sustentabilidade da entidade no Estado explica que neste ano de 2017, as ações de Sustentabilidade estão em processo de ampliaçao. Agora, todos os seis hospitais públicos geridos pela instituição passam a desenvolver o programa ‘Vida Sustentável’, de forma a terem sua estratégia em sustentabilidade, tendo como base o pilar econômico, social e ambiental. ‘Acreditamos que ao formentarmos uma cultura de sustentabilidade estavamos contribuindo para uma vida mais saudável. O agir sustentável promove a redução de doenças gerando uma melhor qualidade de vida. Em instituições, ela fomenta ações responsáveis e transparentes’, comentou.